Aceitação é uma porta para a felicidade

Aceitação é uma porta para a felicidade

Aceitação é deixar a existência ser como ela é. Saber que os fatos e pessoas estão em permanente evolução e que tudo está certo do jeito que está.

Qual o sentido da vida? O que vim fazer neste Planeta? Estas são perguntas recorrentes na vida de todos nós. Em diferentes momentos de vida, nos perguntamos se estamos no lugar certo, fazendo a coisa certa, ao lado da pessoa certa. Temos a sensação de estarmos com o roteiro errado, de que deveríamos estar bem longe, fazendo algo diferente do que estamos fazendo, sentindo algo diferente do que estamos sentindo. De que deveríamos ter uma vida mais nobre, mais significativa. E sofremos…

Para o Tantra, a vida simplesmente é como é. Todos os fatos e pessoas fazem parte da história, que está em permanente evolução e sempre certa. Quando conseguimos finalmente ter esta consciência de que estamos onde deveríamos estar, tendo as experiências que temos de ter, no ritmo que deve ser, relaxamos e então somos invadidos por uma sensação de paz e acolhimento. Deixamos de brigar com a vida e aceitamos a existência como ela é, passando a conviver em harmonia, com mais prazer. É o momento da aceitação total! Voltamos à rota original, depois de nos perdermos em busca de dinheiro, status, prestígio ou mesmo de um relacionamento com alguém – objetivos materiais que nos afastaram de nossa essência, dos nossos desejos naturais.

Esta dicotomia começa cedo, quando os condicionamentos sociais não incentivam a aceitação, nos fazem crer que não somos valorosos do jeito que somos naturalmente. E para atingir um novo padrão, nos esforçamos para mudar, para alcançar condutas mais elevadas, para deixar nossa marca no mundo. E assim nos desviamos da naturalidade.

Quer ajudar o mundo? Comece por você.

Quer ajudar o mundo? Comece por vocêMuita gente vive com medo de não estar cumprindo seu dever neste mundo. De estar deixando de fazer coisas importantes, lutar por causas sociais, ajudar a curar outras pessoas, transferir seu conhecimento, de estar de alguma forma passando a vida em branco… Somos condicionados a acreditar que o propósito maior da vida é servir a outras pessoas. No entanto, há uma diferença em servir aos outros por uma “obrigação imaginária”  e servir aos outros porque temos um sentimento de compaixão em nossos corações.

Veja também Comportamento perante a vida

Alguns acreditam que podem ajudar o outro sem se ajudar primeiro, amar o outro sem se amar primeiro… Mas, na verdade, para cuidar das necessidades do outro é necessário primeiro preencher as suas próprias, de carinho, conhecimento, saúde, espiritualidade, aceitação e paz. Se você não amar a si mesmo e não estiver em harmonia com a sua natureza, como pode oferecer algo de valor a qualquer pessoa? O que você terá para dar?

Quando você vai fundo dentro de si mesmo e se sintoniza com seu eu autêntico em total aceitação, você brilha e começa a ressoar uma energia que pode, consciente ou inconscientemente, curar outras pessoas. Apenas sua mera presença transmite luz aos outros. Se você já encontrou este caminho, de expressar seu eu autêntico, possui palavras de sabedoria e conhece técnicas para ajudar a expandir a consciência daqueles que o cercam, fique tranquilo, você já está servindo a humanidade… De uma forma simples assim, vivendo, convivendo, amando…

Lembre-se: Aceitação não é resignação. Resignação é resultado de um sentimento de impotência –“Não tem jeito mesmo, então tenho que aceitar”. — isso quer dizer que no fundo não aceitamos. Já a aceitação é resultado de de uma compreensão: “Se isto acontece, tem alguma razão. Tem algo para mim aqui. Um desafio. O que preciso aprender com isso? O que a vida está querendo dizer para mim, me fazer sentir, perceber?

  • Compartilhe!