Nosso Direito ao Êxtase

O êxtase é nosso direito natural. Mas não fomos educados para vivê-lo.

A experiência do êxtase requer “uma entrega”, mas esta inclinação natural ao prazer foi censurada desde a nossa infância. A prendemos muito cedo a segurar nossas emoções. Negamos nossos instintos. E com o passar do tempo continuamos “prendendo”, ”segurando” nossos mais profundos desejos, prazeres e paixões.

Crescemos ouvindo coisas negativas de nosso corpo e da nossa sexualidade, e frequentemente nos sentimos confusos e sexualmente fragmentados. Esta ruptura não só causou uma ferida sexual, mas também psíquica. A tarefa de livrar o prazer da escravidão da mente e sua carga de identificações negativas requer vigilância.

A escolha para nos abrirmos ao potencial orgástico requer uma investigação do pensamento negativo que sabota o próprio prazer. A capacidade para aceitar o prazer depende da auto-estima. A dificuldade que temos em aceitar nosso corpo, dizendo para nós mesmos que, “meus peitos são muito pequenos” ou “não é firme o bastante”, ou que “meu pênis é muito pequeno” ou “minha bunda é muito grande” nos impede de chegar ao total prazer sexual e ao êxtase.

A meditação tem papel importante na prática da vigilância.  Assim a entrega ao prazer se torna mais fácil. O prazer através do toque pode ser cultivado. Tenha tempo para o paladar, para tocar, ouvir, cheirar, olhar, sentir e perceber através de seus sentidos. O Tantra ensina a reconciliação do corpo com a mente, da sexualidade com a espiritualidade e a reconciliação de todos os aspectos de si mesmo. O mestre tântrico Osho lembra: ” Sexo é só o começo não o fim, mas se você perde o começo também perderá o fim “.

Orgasmos e êxtase

Orgasmo é uma das experiências mais profundas do ser humano. Pode servir como um poderoso agente de reconciliação entre o corpo e o espírito.  casal deitado se olhando em êxtase

Os homens geralmente têm o primeiro nível do orgasmo, associado com ejaculação e localizado nos órgãos genitais. Este nível é bastante mecânico, sem muito controle sobre a duração ou intensidade. É caracterizado por uma formação de tensões seguida por uma liberação e perda de energia. Isso frequentemente fará com que a experiência sexual chegue ao fim. Caso contrário, o homem repetirá o mesmo ciclo com ejaculações repetidas.

O próximo nível geralmente requer um treinamento apropriado a menos que o homem tenha descoberto por experiência própria a separar ejaculação e orgasmo. Consciência do corpo e da respiração ajudará a relaxar quando ele estiver muito excitado.

Assim como nas mulheres, a estimulação contínua localizada nos genitais pode se espalhar por todo o corpo, fazendo com que ocorra o que chamamos de orgasmo corporal ou os orgasmos múltiplos. Há também o estado orgástico, processo que pode durar horas.

Êxtase é nosso direito inato, mas precisamos encontrá-lo.

  • Compartilhe!